Rua Bento Gonçalves, 247 - Alegrete/RS - fone: (55) 3421 4303

ARROZ INTEGRAL

Avalie esta postagem

Ele é adorado por vários povos, é a base da alimentação de cerca de metade da população mundial, e talvez o prato mais presente na refeição diária do brasileiro. Quem é ele? Ajuda se disser que é quase inseparável de seu par nutricionalmente perfeito, o feijão? Claro que estamos falando do arroz!

Nos últimos anos, a preparação com a alimentação saudável, por atletas e simpatizantes da qualidade de vida tem levado a atenção a outro tipo de arroz – o integral, conhecido por suas privilegiadas propriedades nutricionais.

O arroz integral mantém suas qualidades nutritivas, energéticas e vitais, pois seu grão está completo, com todas as porções comestíveis que originalmente a natureza lhe forneceu.

Porções relativas ao farelo e germe do arroz estão presentes no arroz integral, o que o torna, além de fonte carboidrato, como também o é o arroz polido (refinado), uma fonte de proteínas, fibras e gorduras insaturadas essenciais à saúde. A presença destes e outros compostos é que faz com que tenha a colaboração castanha característica. Além disso, vitaminas, minerais e vários antioxidantes já foramencontrados no arroz integral.

Entre as vitaminas, as do complexo B se destacam como as vitaminas B1, B2, B3, B6, essenciais para a formação de energia pela célula e na produção de neurotransmissores.

Entre os minerais, o magnésio é o mais importante, além de fósforo e potássio. Magnésio é um mineral que se encontra deficiente em grande parcela de nossa população, e com funções nas mais variadas partes do corpo. Isto inclui a síntese de neurotransmissores, como a serotonina, a contração da musculatura, a formação óssea e a produção de energia, entre centenas de outras!

Clinicamente, isso coloca o arroz como um alimento extremamente útil para o tratamento da TPM – Tensão pré-menstrual, do cansaço e falta de energia crônicos, da depressão (substituindo a farinha de trigo e seus derivados com muitas vantagens), da ansiedade, da osteoporose, da constipação intestinal (também conhecida como prisão de ventre). Enfim, é um alimento ideal para ser consumido por todos que desejam uma alimentação muito saudável.

A presença de fibras, proteínas, magnésio e algumas vitaminas tornam o arroz integral um alimento especialmente importante para aqueles que buscam o EMEGRECIMENTO. Ele pode auxiliar na saciedade, redução do colesterol, da glicose sangüínea, da ansiedade e da depressão, devido a estes nutrientes. Obviamente, isso só será alcançado quando o arroz fizer parte de uma alimentação individualmente equilibrada e rotineira.

Alguns estudiosos indicam a ingestão de arroz nos casos de desarranjo intestinal, inflamação cutânea, falta de resistência imunológica e pelas vítimas de doença celíaca (alérgicas a glúten). O refinamento convencional ou comum (branco polido) do arroz leva a perda de muitas, sensão todas estas propriedades benéficas que ele oferece: vitaminas, minerais e fibras. Em termos de benefícios à saúde, o arroz integral contém três vezes mais fibras do que o refinado, e também possui cinco vezes mais vitamina E, e, quatro vezes mais magnésio.

Além de tudo isso, uma das principais vantagens do arroz integral é que ele possui um fitoquímico, nutriente antioxidante e anti-inflamatório, chamado Orizanol, que está sendo estudado pela sua capacidade de prevenção de doenças. Outra característica deste alimento é que ele é hipoalergênico, ou seja, há pouca chance de desenvolver alergia a ele.  Diferentemente do que ocorre com o trigo, base de produtos como massas, pastéis, pães e bolos. O trigo é responsável por muitas alergias alimentares, e seu uso contínuo tem sido associado com possíveis problemas à saúde.

Economicamente falando, cabe ressaltar que o Brasil, e em especial o Rio Grande do Sul, é um grande produtor mundial de arroz, e consumindo-o estamos ajudando a reforçar e economia de nosso país. Por outro lado, o trigo é em grande parte importante, gerando evasão de divisas do Brasil para o exterior. Então, vamos comer mais arroz integral?

 

Fonte: Jornal Gazeta de Alegrete – Ed. 05 de agosto de 2009.

Fechar Menu