Arrozeiros de Alegrete e RGE Sul se reúnem buscando a melhoria urgente do fornecimento de energia

Arrozeiros de Alegrete e RGE Sul se reúnem buscando a melhoria urgente do fornecimento de energia

19/11/2019 0 Por AAAlegrete

Nesta terça, 19/11, foi realizada uma reunião entre a Diretoria da Associação dos Arrozeiros de Alegrete com a equipe da RGE Sul para tratar das demandas do setor produtivo, em especial do setor orizícola, no que se refere aos serviços prestados pela concessionária.

Conforme destaca o áudio da Presidente Fátima, foi reiterado aos representantes da RGE Sul que os arrozeiros já se encontram em pleno período de irrigação, da necessidade de se estabelecer um canal direto para resolver os problemas de energia sem ter que recorrer ao “0800” e de melhorar a divulgação dos avisos de cortes de energia nas linhas de transmissão irrigantes.

 

Estiveram presentes Fátima Marchezan, Presidente, Fernando Lopa – Vice presidente e o Conselheiro Ubiratã Cambraia Machado, com a participação do coordenador de operações – Eduardo, do técnico em operações – Wagner e o do consultor de negócios – Thiago Paz, pela RGE.

Na ocasião foram apresentadas através de oficio da entidade diversas demandas dos arrozeiros (também de outros produtores rurais, de associados da ACRIPLEITE e algumas demandas na área urbana trazidas a entidade), tais como , a frequente falta e oscilação de energia em diversos ramais, demora do ressarcimento do excesso de contas anteriores, manutenção de redes nos meses de irrigação, cobranças indevidas, demora para troca de medidores queimados, erros de leitura nos medidores e atrasos nos religamentos. Também foram apresentadas algumas demandas dos bairros Boa Vista, José de Abreu, balneário Caverá e Honório Lemes.

Destacamos ao grupo da RGE depoimentos, como o abaixo, na localidade da Pedra Branca, entre Mariano Pinto e Rincão da Chácara, da Sra. Gladis Molinari e José Molinari:

“Quero registrar que temos enfrentado problemas frequentes, especialmente nos últimos anos, relacionados à rede elétrica que abastece quatro propriedades no Rincão da Chácara. Em primeiro lugar, a demora em restabelecer o fornecimento de energia. Por exemplo, no início desse ano quando ocorreu muita chuva e muitas localidades tiveram problemas, chegamos a ficar vinte dias sem energia, pois as equipes se deslocaram para a localidade, porém fizeram o conserto por mais de uma vez em locais bem próximos, e nosso pedido não atenderam. Certamente entenderíamos se houvesse problema para deslocamento das equipes ou demanda excessiva, mas é inexplicável o fato de irem até a localidade, fazer conserto em propriedades vizinhas, passarem pelo nosso local e deixarem nosso pedido de lado. Isto já ocorreu diversas vezes, até mesmo se tínhamos feito o pedido primeiro. Em segundo lugar, é que notificamos a falta de energia e nem sempre sabemos por que motivo, especialmente se não for algo evidente como poste caído, fio partido. Já aconteceu várias vezes de a equipe não atender o pedido completamente, indo arrumar apenas uma coisa e não verificar possíveis outras para o restabelecimento da energia. Por exemplo, vão arrumar um poste caído e esquecem de verificar se o transformador não está com problema, não confirmando se a energia chegou às residências. Isto provoca mais demora, pois fazemos um pedido e em seguida precisamos fazer outro porque vão até o local e não fazem o serviço por completo, ainda insistem para que indiquemos o problema exato ocorrido afirmando que necessitam de um pedido para cada estrago, e o que de fato sabemos é de um só que é a falta de energia. Por fim, outro problema que enfrentamos é que os fios dessa rede estão em meio a uma plantação de eucaliptos que cresceu e que basta um vento mais forte para ocasionar a falta de energia e daí retornamos aos problemas de demora e repetição de pedidos.”

Solicitamos aos associados que encaminhem, a nossa Associação, as demandas emergenciais relativas a problemas para irrigar as lavouras de forma a ajudarmos na solução breve junto a RGE Sul, buscando diminuir os prejuízos que a falta de energia causa as lavouras de arroz.