Arroz (Mercado)

Podcast
Minuto da Prosa

Cotação

Cotação do arroz

Previsão do tempo

Clima em alegrete

Setor projeta alta de preço no arroz impulsionada por queda nos estoques

Apesar do atraso e da perda do período ideal para plantio de arroz desta safra, representantes do setor apostam em preços elevados para 2015, visto que os estoques públicos e privados atingiram os menores níveis em cinco anos. Além disso, as exportações entram no radar dos produtores.

Dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) mostram que, em 2013, os estoques de Aquisições do Governo Federal (AGF) chegaram a 346,2 mil toneladas, menor nível desde 2009. Na mesma linha, as 554,3 mil toneladas adquiridas através de Contratos de Opção marcaram o volume mais baixo desde o ano de 2008.

Com o intuito de suprir áreas de escassez na oferta e reequilibrar o mercado de preços e produção, a Conab realizou, na última semana, mais um leilão de venda de arroz, uma vez que o preço praticado no Rio Grande do Sul – maior estado produtor – está cerca de R$ 15 acima do mínimo estabelecido pela companhia.

“A grande diferença deste período é que não temos grandes estoques remanescentes de outras safras, isso dá ao produtor um pouco mais de poder de barganha”, explica o presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), Henrique Dornelles.

Nesta relação entre oferta e procura, a analista de mercado do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), Maria Aparecida Braghetta, destaca que os produtores estão retraídos, preocupados com o desenvolvimento da lavoura e à espera de valores melhores. Do outro lado, a indústria mantém a demanda aquecida a fim de cumprir seus contratos nos mercados interno e externo. “Este movimento valoriza os lotes, principalmente, no período em que estamos, de baixa oferta”, acrescenta.

Com foco em Serra Leoa, Nigéria, Iraque, Cuba e Venezuela, as exportações aparecem entre os objetivos do setor, responsáveis por cerca de 10% da produção da safra 2014/2015.

“Vale lembrar que o dólar alto ainda favorece a venda para o mercado externo, apesar de piorar os custos de produção. Importamos entre 900 mil e um milhão de toneladas apenas por força de um acordo com o Mercosul”, enfatiza o presidente do Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga), Cláudio Pereira.

Produção

O último levantamento do Irga, divulgado na segunda-feira (15.12), indica que 98,54% da área gaúcha destinada ao arroz está plantada, um total de 1,10 milhão de hectares.

O presidente da Federarroz conta que, mesmo com o período ideal para plantio tendo terminado em meados de novembro, a região deve produzir entre 8,2 e 8,4 milhões de toneladas, em linha com o resultado de 2013/2014 ou com um leve crescimento.

Pereira lembra que pelo menos 80% da safra foi plantada na data correta e, se o clima de janeiro e fevereiro for bom, é possível manter a produtividade e qualidade do grão.

“O arroz plantado em dezembro entrará no período reprodutivo em março, quando a tendência é de chuva e menos luminosidade. Geralmente, esta etapa acontece até fevereiro, porque o sol ajuda o desenvolvimento dos cultivares. O ideal, agora, é que não chova tanto em março”, comenta Dornelles. Para a analista do Cepea, é cedo para prever 2015, vai depender do clima e como a indústria se preparou para o primeiro trimestre.

 

DCI – Diário do Comércio & Indústria

Autor: Nayara Figueiredo

Soldados receberão certificados do projeto AGROVERDEO...
Pauta climática e desafios para a Metade Sul na Seman...
Molion está confirmado na Abertura da Semana Arrozeir...
© 2024 - Associação dos Arrozeiros de Alegrete - Todos os direitos Reservados