Notícias

Podcast
Minuto da Prosa

Cotação

Cotação do arroz

Previsão do tempo

Clima em alegrete

CMN estende até novembro o prazo para renegociar dívidas Federarroz encaminhou demanda ao governo a pedido de produtores

CMN estende até novembro o prazo para renegociar dívidas
Federarroz encaminhou demanda ao governo a pedido de produtores

 O Conselho Monetário Nacional – CMN, reunido esta semana em Brasília (DF), decidiu estender até o próximo 30 de novembro o prazo para que os arrozeiros possam se habilitar ao Programa de Renegociação de Dívidas Originárias de Operações de Crédito Rural. A decisão consta da resolução 4.268/13 do CMN, e ocorre a pedido dos ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA e da Fazenda – MFAZ. O prazo final era 30 de julho e a ampliação do prazo teve a intermediação do deputado federal Luis Carlos Heinze (PP/RS), em nome do setor produtivo.


Segundo o presidente Henrique Osório Dornelles, da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul – Federarroz, embora mantenha o entendimento de que a fase de renegociação de dívidas deve ser superada, a entidade precisou movimentar-se em favor de uma demanda pontual dos rizicultores que não tiveram acesso à renegociação nas instituições privadas de crédito. “Esses bancos não aderiram ao programa e impediram a renegociação dos agricultores”, informou o dirigente. Alguns produtores, inclusive, sofreram o risco de execução judicial das dívidas enquanto aguardavam a repactuação do passivo.

O alongamento do prazo, apenas, não resolve a situação. Mas, a entidade e segmentos políticos ligados ao agronegócio retomarão as negociações com a Federação Brasileira de Bancos – Febraban e as diretorias dos bancos privados em busca de uma solução para o impasse. O Banco do Brasil, única instituição que aplicou integralmente o programa, anunciou que mais de R$ 200 milhões foram renegociados por este modelo até o início de agosto no Rio Grande do Sul. A estimativa da entidade é que, com participação dos bancos privados, estaduais e cooperativos, a soma das renegociações alcançaria mais de R$ 400 milhões.

Para as dívidas até R$ 1 milhão de reais, a taxa de juros previstas no programa de refinanciamento é de 5,5% ao ano. O prazo de financiamento é de até 10 anos, em parcelas anuais.

Fonte: Federarroz – 02/10/13

Sancionada Lei de autoria do Delegado Zucco que permi...
Aprovado projeto do Delegado Zucco para construção de...
Henrique Dornelles é confirmado Presidente da Câmara ...
© 2024 - Associação dos Arrozeiros de Alegrete - Todos os direitos Reservados